terça-feira, 6 de maio de 2008






Magia

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Baralho






baralho.... baralho..... magia;;;;;;
tudo se pode quando se tem fé....
A nossa hora é diferentes do tempo deles.
saber esperar e ouvir é uma verdadeira dávida para alcançar o sucesso

दम दा Noite


CIGANA DAMA DA NOITE

Quem nunca ouviu falar na Pomba-Gira Dama da Noite? É uma entidade muito conhecida e prestigiada. Muitas pessoas erroneamente dizem que a Dama da Noite é uma unidade de Maria Padilha, o que na verdade não é! Em todo o nosso estudo a respeito destas maravilhosas entidades, descobrimos que a Gira Dama da Noite foi uma das amantes de D. Pedro I na corte do Brasil.
Conta a história que esta entidade na sua época aqui na terra foi uma mulher muito bonita e rica, pois era uma das mais requisitadas cafetinas da época. Devido a sua beleza e mistério, causava um verdadeiro alvoroço nos corações e desejos dos homens da corte.. que chegavam a ofertar a esta mulher verdadeiras fortunas para passar uma noite em seus braços.
E foi através desta magia da sedução que fez esta linda mulher se afortunar e despertar curiosidade no principe herdeiro do Brasil , D. pedro I.
Na história do Brasil seu nome não é citado, pois chamava-se Helena, mais nas cartilhas e jornais da época este envolvimento chegou a gerar um certo escândalo.
Foi através da psicografia de Fábio Freitas que descobrimos a verdadeira história desta linda entidade que quando chega ao mundo, trás com ela a sua magia e sensualidade. Adora ganhar perfumes e rosas vermelhas nas encruzilhadas, sempre em cima de um pano vermelho seja de morim ou cetim, fuma cigarrilhas longas e toma champgne de Sidra

Cimiterio


POMBAGIRA CIGANA DO CEMITÉRIO

Esta bela entidade que faz parte do povo das almas é uma das pomba-giras mais lindas quando esta incorporada, e é muito requisitada para trabalhos de amor e separações... Como é uma Pomba-gira de pura sedução esta sempre buscando companhias, por isto não é raro pessoas sentir e ver sua presença em cemitérios e calçadas próximas em noites de lua cheia, principalmente homens. E uma das giras mais próximas do mundo terreno e adora trabalhar para ambos os sexos. Sua arte é a sedução... e esta sempre mostrando seus poderes tanto no mundo astral como quando esta trabalhando em nossos terreiros. Adora receber suas oferendas e pedidos nos portões e nos cruzeiros de cemitério... não pode faltar rosas vermelhas, licor, champanhes roses, perfumes e adereços... Nunca se surpreenda com esta entidade e tenha certeza dos seus pedidos, porque pomba-gira do cemitério, trabalha para todos lados e quando ela promete... ela cumpre! O lema dela é” Faça a sua parte ... que eu faço a minha”

“Ela é rainha na sua morada... na sua morada ela é poder e fé! Ela é a dona do cemitério ... ela é o exu mulher...”

Cigana



POMBAGIRA -CIGANA DA ESTRADA
Esta entidade queridíssima e respeitada dentro dos terreiros de Umbanda, quando chega ao mundo vem sempre sorrindo e dando gargalhadas, mostrando que sua vinda no astral é tão alegre quanto o seu tempo aqui na terra. Pomba-Gira da Estrada gosta de trabalhar para o amor e para trazer o pão (dinheiro) a quem a sua ajuda precisa. Tudo ela faz com satisfação e alegria, mais como toda a cigana... gosta de bons agrados... pulseiras, anéis, perfumes e lenços coloridos... Gosta de receber suas oferendas e pedidos nas Campinas das estradas... pode ser nas segundas ou sextas-feiras de lua cheia para trabalhos de amor e na lua crescente para trabalhos de dinheiro... Peça com fé e respeito que pomba-gira da Estrada vem alegre para lhe ajudar!

“ Vinha caminhando a pé para ver se encontrava uma cigana de fé... Ela parou e leu minha mão... me disse toda a verdade... eu queria saber a onde mora a pomba-gira cigana!”
Sarava cigana da Estrada!

Encruzilhadas

Rei das Sete Encruzilhadas

Esta entidade se apresenta como um homem de idade avançada, de pele escura, barba e olhos vermelhos, cor de brasa. Traz a metade do seu corpo (o lado esquerdo) queimado, sendo que sua perna esquerda não funciona bem, por isto é muito comum que se apóie em um bastão.

Prefere beber whisky de boa qualidade e fumar charutos grossos, sua voz é rouca, grave e forte. Quando está manifestado em algum médium, gosta também de azeitonas. Seu olhar é insustentável e quando se fixa em alguém, parece que o atravessa, sabendo seus segredos mais íntimos. As pessoas que o conhecem sentem certa autoridade nele e o respeitam.

Se desmancha em passagens que envia ao mundo para que transmitam suas mensagens através de seus cavalos (médiuns), sendo que isto acontece com todas as demais Entidades de Kimbanda. Sua vestimenta quase sempre é em tons vermelho e negro, com toques brancos e às vezes dourados (quando fora da Encruzilhada da Lira), prefere a capa e a cartola. Gosta de trabalhar com pouco público, em sessões que tenham força espiritual, onde os que nelas se encontram estejam concentrados ao máximo para dar o melhor de si. Não é importante a quantidade, e sim a qualidade e o resultado final da cerimônia.

Em sua última encarnação foi um Tatá Nganga banto, que foi trazido como escravo ao Brasil. Começou chegando na Umbanda, como um "exu de baixo" e foi levantado para "o alto" quando se fizeram os sacrifícios correspondentes na Kimbanda. Quando lhe perguntamos porque se denominava "da Lira" respondeu:

"Lira é uma cidade africana, que fica nas fronteiras orientais do Reino Baganda, de lá venho eu..."

Tem um caráter sério, amável e tranquilo, mas também pode ser enérgico e enojar-se quando há algo que ele não gosta. Tem prazer em ensinar e doutrinar, por isto sempre está tirando dúvidas a todo aquele que lhe faça perguntas, desde as perguntas mais insólitas como "porque há estrelas..." até as mais comuns como "quero saber se meu marido me engana..."

Apesar do Exu Rei das 7 Encruzilhadas tenha sido posto em um lugar privilegiado por alguns autores (os que escreveram com muita subjetividade), ele mesmo afirma que não é o Rei absoluto da kimbanda, e sim que apenas é um dos principais.

É rígido e severo quanto a seguir as tradições e que os rituais se cumpram passo a passo como deve ser, mesmo que, como todo "exu" está aberto a mudanças, às movimentações e inovações, sempre e quando os mesmos sejam feitos pelos próprios Exus.

Veludo

Este Exu, vem das costas orientais da África, era swahili (negro arabizado). Usa um turbante na cabeça, e lindos tecidos de veludo trazidos de oriente, que lhe valeram o apelido na Kimbanda de "veludo" Dado a sua forma luxuosa de se vestir, no estilo muçulmano, muitos que viram seu tipo de apresentação através da mediunidade, o confundiram com um cigano e o associaram com os mesmos. Isto não significa que não trabalhe com os ciganos, ao contrário, tem inclusive uma passagem ou caminho que se apresenta como um.

Tem muitos conhecimentos sobre feitiços que se fazem utilizando panos, tigelas, agulhas, pembas e outros ingredientes. Abre os caminhos e limpa trabalhos negativos feitos nos cemitérios. Gosta de um bom whisky e grossos charutos.

Alguns de seus caminhos são:

Exu Veludo da Meia Noite

Exu Veludo Cigano

Exu Veludo 7 Encruzilhadas

Exu Veludo Menino (Veludinho)

Exu Veludo dos 7 Cruzeiros

Exu Veludo das Almas

Exu Veludo dos Infernos

Exu Veludo da Kalunga

Exu Veludo da Praia

Exu Veludo do Oriente

Exu Veludo Sigatana

Exu Veludo do Lixo

Meia Noite

O Exu da Meia noite que conhecemos foi um negro descendente de escravos, que vivia em Minas Gerais. Sua especialidade é a de praticar feitiços ou trabalhos que são efetuados sob a influência dos planetas, as estrelas e suas posições. E prefere, como seu nome o diz, receber oferendas e fazer trabalhos à meia-noite, mais não o que marca no relógio, e sim a mágica, aquela que se calcula dividindo as horas do dia em que há luz solar e encontrando justamente sua metade.

Gosta de beber whisky e fuma charutos. Sua vestimenta é totalmente de cor negra, com alguns tons vermelhos. Traje negro, chapéu e às vezes traz uma capa.

Alguns de seus caminhos são:

Exu Meia Noite da Kalunga

Exu Meia Noite das Almas

Exu Meia Noite da Praia

Exu Meia Noite do Mar

Exu Meia Noite do Oriente

Exu Meia Noite das 7 Encruzilhadas

Exu Meia Noite da Capela

Exu Meia Noite do Cruzeiro

Exu Meia Noite da Mata

Cigano

Este, como seu nome indica, se manifesta sob a aparência de um cigano. Quando vivia foi um cigano árabe, que veio como escravo ao Brasil junto com um contingente que provinha da África Oriental. Seu nome em vida era Hassam. Por ser o primeiro cigano que se iniciou no culto afro-brasileiro que ele conheceu no cativeiro junto com os demais escravos, obteve o privilégio de ser o comandante dos demais ciganos que se iniciaram, de onde passou a ser chefe do povo cigano. Logo, quando começa a manifestar-se, primeiro na macumba primitiva, logo depois na Umbanda e por último como "Exu de Alto" se dá a conhecer como "Cigano L'erú" que significa: "O cigano que foi escravo", dando a entender que foi um dos que chegaram primeiro.

Sua vestimenta é composta de panos coloridos, turbante e bombacha no estilo árabe. Sendo um dos poucos ciganos (homens) que se apresentam desta maneira, já que a maioria vem com chapéu de feltro ou lenço de cabeça, calça, camisa e jaleco, pois são ciganos muito mais novos no tempo.

Os outros Exus que se manifestam como ciganos, quase nunca se chamam "ciganos", por que de uma maneira geral são Almas de Ciganos que se iniciaram no culto, e chegam com a representação de algum outro Exu do Alto Comando, por exemplo: Exu Corcunda Cigano.

Alguns de seus caminhos são ramos de onde podem chegar os distintos ciganos:

Exu Cigano do Oriente - O que vem da África Oriental, Arábia e outros países asiáticos.

Exu Cigano do Circo - O que trabalha - como indica seu nome - nos circos e também em todos os lugares onde fazem espetáculos públicos.

Exu Cigano do Pandeiro – É ele que vem com um pandeiro na mão, bom dançarino, tem um estilo turco.

Exu Cigano Caló – É ele que representa a os ciganos que vieram ao Brasil desde Portugal, Espanha e França.

Exu Cigano da Praça - Aquele que se dedica a buscar oportunidades nas praças, feiras e parques, fazendo negócios.

Exu Cigano Romanó - Quando se apresenta como um cigano que vem de algum dos países de Europa oriental.

Exu Cigano do Violino - Que é a passagem na qual ele sabe tocar violino, sendo um cigano rumano.

Exu Cigano da Lira – Que faz alusão aos conceitos: a) que provém de uma cidade africana chamada Lira e que fora a princípio um ponto de encontro entre várias raças para comerciar; b) que é hábil compondo canções, cantado e tocando instrumentos variados.

Exu Cigano Giramundo - Que não deve se confundir com "Exu Giramundo-cigano", pois Cigano giramundo é uma passagem de Exu Cigano o que mostra sob a faceta de trota-mundos, andarilho, em sua carruagem viajando de povo em povo. Sem dúvida, Giramundo-cigano é a representação de Exu Giramundo através de uma passagem como cigano.

Exu Cigano do Garito - O que trabalha nas casas de jogo clandestino. Devemos ressaltar, que "garito" é uma palavra cigana.

Há, todavia, muitos sub-ramos derivados das primeiras passagens e também outras passagens. Devemos deixar claro que, na Kimbanda, não há algum lugar para ciganos (homens) com nomes próprios, pois temos ouvido por aí que chegam: cigano-andrés, cigano-ramiro, cigano-sandro, cigano-marco, etc. Na Kimbanda só chega Exu Cigano- "de tal parte", os espíritos de ciganos homens que venham com nomes próprios, NÃO SÃO EXUS DE LEI, não devem ser admitidos nas giras, porque não pertencem à nossa religião. Os ciganos que entraram na nossa religião quando viviam, têm até o momento, somente um dos caminhos: a) Chegar representando a Exu Cigano ou Pombagira Cigana e um grupo; b) Chegar representando qualquer Exu dos altos comandos e ter ao final a denominação: "cigano".

Exu Angola – Que pertence ao povo das Almas do Cativeiro.

Exu Cobra Preta – Pertence ao povo das Cobras que trabalha dentro do Reino das Matas.

Exu Come-Fogo – Ronda nas cercanias dos crematórios e pertence ao povo do forno.

Exu Coquinho dos Infernos – Que integra o grupo do Povo dos Infernos (dentro do Reino da Lira)

Exu da Estrada – Que trabalha nas rotas e estradas (povo do Cruzeiro da Rua)

Exu da Lama – Tem a incumbência onde há incêndios e faz parte do Povo do Forno.

Exu Dalva – Pertence ao Povo do Cruzeiro do Espaço. Gosta de trabalhar quando está amanhecendo e recebe as oferendas em terrenos abertos.

Exu do Ar - Trabalha sob o comando de Exu dos Ventos.

Exu Formiga – Pertence ao Povo das Campinas, mora perto dos formigueiros onde procura um de seus alimentos prediletos: as formigas.

Exu Gato – Prefere trabalhar nas encruzilhadas dos montes.

Exu Gererê – Trabalha dentro do mar, pertence ao povo dos pescadores, de fato, seu nome significa “red” em linguagem banto.

Exu Hora-Grande – Outro tipo de nome que se usa para referir-se a Exu Meia-Noite.

Exu Kolobô - Que trabalha nos cemitérios e ataca condolências, pertence ao povo das mirongas.

Exu Lalu – Trabalha nas encruzilhadas da praia sob as ordens de Exu Mirim.

Exu Limpa-Trilhos – Trabalha nas vias de trem abrindo os caminhos, pertence ao povo da Encruzilhada de Trilhos e seu chefe direto é o Exu Marabô.

Exu Mangue – Vive nos mangues.

Exu do Pantanal - pertence ao povo do Lodo.

Exu Pinga-Fogo – Que pertence ao povo dos Fornos ou do Fogo (povo do fogo material)

Exu Relâmpago – Trabalha no povo da Encruzilhada do Espaço (pontos cardinais), sob as ordens de Seu Sete Gargalhadas.

Exu Sete Horas – Que pertence ao povo do Cruzeiro do Espaço.

Exu Tira-Tôco – Trabalha nos montes de Eucaliptos a beiradas do mar. Pertence ao povo da mata da praia.

Exu Tranca-Gira – Trabalha nos cruzeiros sob as ordens de Exu Tranca Tudo.

Pombagira da Terra – Trabalha nos cemitérios.

Pombagira Rosária – Trabalha nos mercados e feiras.

Pombagira Sete Folhas - Pertence ao povo das árvores e trabalha na entrada dos montes.

Exu Aleba

Exu Apavenã

Exu Banzé

Exu Bara

Exu Bauru

Exu Boca de Fogo

Exu Caçamba

Exu Candô

Exu Casamenteiro

Exu Chico Preto

Exu da Figueira

Exu da Guiné

Exu da Laranjeira

Exu da Limeira

Exu do Congo

Exu do Mar

Exu Espeto

Exu Folha Seca

Exu Gibóia

Exu João Caveira

Exu João da Bahia

Exu João das Almas

Exu João Kalunga

Exu João Mandinga

Exu João Mironga

Exu João Pepeu

Exu Laborê

Exu Loá

Exu Lofe

Exu Lonã

Exu Madeiro

Exu Maiô

Exu Mareiro

Exu Maromba

Exu Marujo

Exu Matança

Exu Miloá

Exu Mirô

Exu Olho Grande

Exu Panteira

Exu Pedra roxa

Exu Pena de Coruja

Exu Pena de Urubu

Exu Pena Preta

Exu Pimenta

Exu Rebolo

Exu Serapião

Exu Sete Baforadas

Exu Sete Dias

Exu Sete Facas

Exu Sete Montes

Exu Sete Pregos

Exu Tata Ndaí

Exu Tatalá

Exu Tatu

Exu Tibiri

Exu Tira-Teima

Exu Toquinho

Exu Treme Terra

Exu Três Encruzilhadas da Perdição

Exu Três Penas

Exu Tronco

Exu Tronqueira

Exu Trovoada

Exu Tuniquinho

Pombagira Akiesan

Pombagira Aruá

Pombagira Carangola

Pombagira da Lomba

Pombagira das Cachoeiras

Pombagira das Cobras

Pombagira das Flores

Pombagira de Belém

Pombagira de Maceió

Pombagira de Mafia (da Ilha de Mafia na África)

Pombagira de Pemba (da Ilha de Pemba naÁfrica)

Pombagira Detê

Pombagira do Bananal

Pombagira do Jardim

Pombagira do Luar

Pombagira do Oriente

Pombagira do Rio

Pombagira do Sol e da Lua

Pombagira Ganzá

Pombagira Kirombô

Pombagira Maleva

Pombagira Maria Alagoana (de Alagoas)

Pombagira Maria Bahiana (da Bahia)

Pombagira Maria Colodina

Pombagira Maria da Praia

Pombagira Maria das Almas

Pombagira Maria de Minas (de Minas)

Pombagira Maria Farrapos

Pombagira Maria Lixeira

Pombagira Maria Mulambo

Pombagira Maria Navalha

Pombagira Maria Quitéria

Pombagira Maria Rosa

Pombagira Maria Tunica

Pombagira Moça Bonita

Pombagira Mundana

Pombagira Rosa Amarela

Pombagira Rosa Caveira

Pombagira Rosa Preta

Pombagira Rosa Roxa

Pombagira Rosinha

Pombagira Sete Chocalhos

Pombagira Sete Cores

Pombagira Sete Estrelas

Pombagira Sete Maridos

Pombagira Sete Ondas

Pombagira Sete Saias

Exu Ciganos




Lei da Kimbanda vem dos bantos, dos povos Angola-Congo. A “misturança”, ou ainda podemos dizer “sincretismo” entre o Exu-iorubá, os Ngangas e Tatás (almas de chefes kimbandeiros das nações bantas) foi o que deixou esse ar de confusão no povo, que muitos até mesmo sendo "feitos na kimbanda", não entendem, ou o que é pior, tratam-no de diabo. Na verdade, o Exu da kimbanda não é o Exu-Iorubá (Orixá ou Imalé dessa cultura). Os Espíritos que chegam na linha da kimbanda são espíritos de Ngangas ou Tatás, aqueles que quando encarnados na terra eram sacerdotes bantos adoradores de algum Nkisi ou Npungu.







No Brasil, o culto aos Npungus e Nkisis através dos seus mensageiros – os Ngangas - foi misturado na escravidão com o culto aos Encantados e aos pajés (da cultura tupi-guarani) e também com o dos Iorubás, surgindo os seguintes novos cultos, fruto da miscelânea: Makumba - que vem de "ma-kiumba" (espíritos da noite). Foi assim chamado o mais primitivo culto sincretista no sul do Brasil (e o primeiro originado no Brasil), dada sua maior preponderância banto; é dela que descendem os outros cultos afro-brasileiros com influência das nações Angola-Congo, Tupi-guarani, Nagô e a Igreja, nessa ordem. A razão de se chamar makiumba (logo após por deturpação da palavra ficaria makumba ou macumba) foi justamente, porque é um culto que se faz na noite, onde se deveriam chamar necessariamente os espíritos da noite (almas de outros sacerdotes do culto - Eguns ou Ancestrais). No culto iorubano-nagô conhece-se e rende-se culto aos Ancestrais-Egun, porém eles são afastados dos rituais aos Orixás, tentando ter um contato com outro tipo de energia. Isto contribuiu para que os rituais onde se chamavam os eguns fossem menosprezados, tratados pejorativamente e mal interpretados.

Por outro lado, a Igreja também condenava os cultos com influência índio-banto onde se fazia beberagem e supostamente “orgias”.

Na verdade, as danças bantús eram no Brasil e ainda são na África, bastante eróticas, e também é verdade que os Guias bebem e fumam, porém é muito distante de ser uma orgia ou uma bebedeira. Depois, quando os grupos de nações começaram a procurar sua identidade, dividiram-se os principais componentes da makumba, aparecendo: Candomblé de Angola; Candomblé de Congo; Candomblé de Caboclo ou dos Encantados; Catimbó; - todos eles à procura de uma raiz cultural - e também, ao final do século XIX surgem da macumba urbana, (onde se tinha muita participação dos brancos pobres e os descendentes de escravos) a Umbanda e a Kimbanda com influências para o Espiritismo e com muito sincretismo. Na Kimbanda, permaneceu grande parte do culto aos Ngangas da nação Angola-Congo, porém misturado com o diabo (pelas influências dos mitos e tabus dos próprios integrantes - que não tinham conhecimento das origens) e também embaixo do pé do Orixá Iorubá Exu.

REINOS DE EXU NA KIMBANDA

A Kimbanda tem sete reinos, sendo sua organização remanescente das organizações tribais em reinos na África Banto. Cada Reino é composto por nove povos de Exu, sendo que cada povo é comandado por um Exu-Chefe.

1) Reino das Encruzilhadas - Que sendo chefiado por Exu Rei das Sete Encruzilhadas e Pombagira Rainha das Sete Encruzilhadas, governa todas as passagens dos Exus que ali trabalham. Sua função principal é abrir os caminhos para os outros Guias chegarem e também para os filhos e fregueses.

2) Reino dos Cruzeiros - Chefiado pelo Exu Rei dos Sete Cruzeiros e Pombagira Rainha dos Sete Cruzeiros, governa todas as passagens dos Exus que trabalham nos cruzeiros (não confundir com encruzilhada).

3) Reino das Matas – Chefiado pelo Exu Rei das Matas e Pombagira Rainha das Matas. Governa todos os Exus que trabalham nas matas ou locais que tenham árvores a exceção do Cemitério, que pertence a outro reino.

4) Reino da Kalunga Pequena (Cemitério) Governado pelo Exu Rei das Sete Calungas ou Kalungas e Pombagira Rainha das Sete Kalungas. Esses Exus também são chamados pelo nome de Rei e Rainha dos Cemitérios. Geralmente quando se diz "calunga" nas giras de Kimbanda é para nomear ao cemitério. Trabalham neste reino todos os Exu que moram dentro dos cemitérios exclusivamente.

5) Reino das Almas - Chefiado por Exu Rei das Almas Omulu e Pombagira Rainha das Almas. Eles também são conhecidos por Rei e Rainha da Lomba, porque governam todos os Exus que trabalham em locais altos. Porém, os Exus deste reino também trabalham em hospitais, morgues, etc.

6) Reino da Lira - Os chefes deste reino são muito mais conhecidos por seus nomes sincréticos: Exu Lúcifer e Maria Padilha, sendo na verdade seus nomes kimbandeiros Exu Rei das Sete Liras e Rainha do Candomblé (ou Rainha das Marias). Seus apelidos kimbandeiros mostram justamente sua afinidade pela dança, a música e a arte (lira e candomblé). Dentro do reino da Lira, que também às vezes é chamado "reino do candomblé" não pelo culto africanista aos orixás, senão por ser essa palavra o sinônimo de dança e música ritual. Trabalham aqui todos os Exus que tem que ver com a arte, a música, poesia, boemia, artes ciganas, malandragem, etc.

7) Reino da Praia - Governado por Exu Rei da Praia e Rainha da Praia. Dentro dele encontram-se todos os Exus que trabalham nas praias, perto d'agua o ainda dentro dela, podendo ser salgada ou doce.

POVOS DE EXU NA KIMBANDA

Em cada reino existem 9 povos, sendo um total de 63 povos de Exu. A seguir oferecemos uma lista com os povos que pertencem a cada reino:

REINO DAS ENCRUZILHADAS.
1) Povo da Encruzilhada da Rua - Chefe Exu Tranca-Ruas
2) Povo da Encruzilhada da Lira - Chefe Exu Sete Encruzilhadas
3) Povo da Encruzilhada da Lomba - Chefe Exu das Almas
4) Povo da Encruzilhada dos Trilhos- Chefe Exu Marabô
5) Povo da Encruzilhada da Mata - Chefe Exu Tiriri.
6) Povo da Encruzilhada da Kalunga - Chefe Exu Veludo
7) Povo da Encruzilhada da Praça - Chefe Exu Morcego
8) Povo da Encruzilhada do Espaço - Chefe Exu Sete Gargalhadas
9) Povo da Encruzilhada da Praia - Chefe Exu Mirim.

REINO DOS CRUZEIROS
1) Povo do Cruzeiro da Rua - Chefe Exu Tranca Tudo
2) Povo do Cruzeiro da Praza - Chefe Exu Kirombó
3) Povo do Cruzeiro da Lira - Chefe Exu Sete Cruzeiros
4) Povo do Cruzeiro da Mata - Chefe Exu Mangueira
5) Povo do Cruzeiro da Kalunga - Chefe Exu Kaminaloá
6) Povo do Cruzeiro das Almas - Chefe Exu Sete Cruzes
7) Povo do Cruzeiro do Espaço - Chefe Exu 7 Portas
8) Povo do Cruzeiro da Praia - Chefe Exu Meia Noite
9) Povo do Cruzeiro do Mar - Chefe Exu Kalunga (Kalunga grande)

REINO DAS MATAS
1) Povo das Árvores - Chefe Exu Quebra Galho
2) Povo dos Parques - Chefe Exu das Sombras
3) Povo da Mata da Praia - Chefe Exu das Matas
4) Povo das Campinas - Chefe Exu das Campinas
5) Povo das Serranias - Chefe Exu da Serra Negra
6) Povo das Minas - Chefe Exu Sete Pedras
7) Povo das Cobras - Chefe Exu Sete Cobras
8) Povo das Flores - Chefe Exu do Cheiro
9) Povo da Sementeira - Chefe Exu Arranca Tôco

REINO DA KALUNGA
1) Povo das Portas da Kalunga.- Chefe Exu Porteira
2) Povo das Tumbas.- Chefe Exu Sete Tumbas
3) Povo das Catacumbas.- Chefe Exu Sete Catacumbas
4) Povo dos Fornos.- Chefe Exu da Brasa
5) Povo das Caveiras.- Chefe Exu Caveira
6) Povo da Mata da Kalunga.- Chefe Exu Kalunga (conhecido também como Exu dos Cemitérios)
7) Povo da Lomba da Kalunga.- Chefe Exu Corcunda
8) Povo das Covas - Chefe Exu Sete Covas
9) Povo das Mirongas e Trevas - Chefe Exu Capa Preta (conhecido também como Exu Mironga)

REINO DAS ALMAS
1) Povo das Almas da Lomba - Chefe Exu 7 Lombas.
2) Povo das Almas do Cativeiro- Chefe Exu Pemba.
3) Povo das Almas do Velório- Chefe Exu Marabá.
4) Povo das Almas dos Hospitais - Chefe Exu Curadô
5) Povo das Almas da Praia - Chefe Exu Giramundo.
6) Povo das Almas das Igrejas e Templos .- Chefe Exu Nove Luzes .
7) Povo das Almas do Mato - Chefe Exu 7 Montanhas.
8) Povo das Almas da Kalunga - Chefe Exu Tatá Caveira.
9) Povo das Almas do Oriente - Chefe Exu 7 Poeiras.

REINO DA LIRA
1) Povo dos Infernos - Chefiado por Exu dos Infernos
2) Povo dos Cabarés - Chefiado por Exu do Cabaré
3) Povo da Lira - Chefiado por Exu Sete Liras
4) Povo dos Ciganos - Chefiado por Exu Cigano
5) Povo do Oriente - Chefiado por Exu Pagão
6) Povo dos Malandros - Chefiado por Exu Zé Pelintra
7) Povo do Lixo - Chefiado por Exu Ganga
8) Povo do Luar - Chefiado por Exu Malé
9) Povo do Comércio - Chefiado por Exu Chama Dinheiro.

REINO DA PRAIA.
1) Povo dos Rios - Chefiado por Exu dos Rios.
2) Povo das Cachoeiras - Chefiado por Exu das Cachoeiras.
3) Povo da Pedreira - Chefiado por Exu da Pedra Preta.
4) Povo do Marinheiros - Chefiado por Exu Marinheiro.
5) Povo do Mar - Chefiado por Exu Maré.
6) Povo do Lodo - Chefiado por Exu do Lodo.
7) Povo dos Bahianos - Chefiado por Exu Bahiano.
8) Povo dos Ventos - Chefiado por Exu dos Ventos
9) Povo da Ilha.- Chefiado por Exu do Côco.

POMBAGIRA / BOMBOGIRA / EXU-MULHER

Chamada de Pombagira, Bombogira, Exu-mulher ou ainda Bomobonjira é conhecida a Entidade feminina da Kimbanda. Esta forma de chamar para Ela é sem dúvida pela influência banta (Angola). A Entidade banta Aluvaiá-Pombagira foi então submetida à Entidade iorubana Exu, sendo colocada como sua mulher.

Na Kimbanda, devemos dizer que a Pombagira representa o poder feminino feiticeiro, comparável com as Iyami Oxorongá dos iorubás. Ela pode ter muitos maridos, que tornam-se seus "escravos" ou empregados. Na concepção da kimbanda, todas as Entidades são duplas, é dizer, cada uma delas pode se apresentar em baixo da aparência de homem ou mulher. Por seu lado, os Exu-homens podem ter muitas mulheres, as quais passam a ser suas escravas ou empregadas. É muito comum usar o número 7 (sete) para dizer quantas mulheres ou homens pode ter uma Entidade, isso é assim, por ser um numero cabalístico e mágico.

Cada Exu-homem da Kimbanda tem sua parte feminina ou contrapartida, que na verdade são a mesma Energia em baixo de aparências distintas, temos assim:

Exu Rei das Encruzilhadas / Pombagira Rainha das Encruzilhadas;
Exu das Matas / Pombagiras das Matas;
Exu Giramundo / Pombagira Giramundo;
Exu do Cravo Vermelho / Pombagira da Rosa Vermelha;
Exu Mulambo / Pombagira Maria Mulambo;
Exu Sete Capas / Pombagira Sete Saias;
Exu 7 Estrelas / Pombagira 7 Estrelas; etc.

Cada pessoa tem pelo menos um par de Exus que age e mora perto dela desde o dia do nascimento. Que um homem tenha como Guia uma Pombagira (que incorpore nele) não quer dizer que ele vai se tornar homossexual, ou vai mudar seu gosto pelas mulheres, como muitos pensam; nada disso, ele vai seguir sendo o mesmo homem de sempre. O mesmo é para as mulheres que tiverem um Exu. Isso é para os casos onde se puxa somente uma das duas Entidades da Kimbanda que possui cada um como mínimo, pois existem muitas casas onde são puxadas as dois (Exu-homem e Pombagira), sendo que tampouco eles vão influir na definição sexual da pessoa. O que acontece é que muitos se aproveitam para colocar as culpas em Exu. Pode acontecer também que alguma pessoa tenha duas pombagiras e dois exus, um par de exus que estava submetido aos espíritos evangelizados e que logo após foi liberada, e uma parelha de exus que se apresentou sem estar sob o comando da umbanda.

Quando incorporada no cavalo, a pombagira mostra-se quase sempre bonita, feminina, amável, elegante, sedutora, mais também tem vidência, é certeira e sempre tem algum conselho para aqueles que estão sofrendo por um amor. Ela gosta das bebidas suaves : vinhos doces, licores, cidra, champagne, anis, etc. E gosta dos cigarros e cigarrilhas de boa qualidade, assim como também lhe atrai o luxo, o brilho e o destaque. Usa sempre muitos colares, anéis, brincos, pulseiras, etc. Sendo que existem milhares de pombagiras, e que cada uma tem sua própria pessoalidade, e torna-se muito difícil uma descrição geral.

Suas oferendas levam ovos, maçãs, morangos, perfumes, pentes, espelhos, flores (especialmente rosas - nunca botões), bebidas, cigarros, etc.

As principais pombagiras em ordem hierárquica são as correspondentes às sete passagens da representação feminina de Exu Rei, Pombagira Rainha, após temos 63 pombagiras chefas, sendo cada uma delas a contrapartida de algum dos Exu chefes que já apresentamos na parte onde falamos dos povos de Exu.

As funções principais de Pombagira são as de ajudar os seus em todos os casos de amor, mas também é usada a sua força para desmanchar feitiços, para pedir proteção e curar várias doenças.

GENERALIDADES DE ALGUNS EXUS

Deixamos claro que quando falamos de alma encarnação de um determinado Exu, isso não indica que faz alusão a todos os que se apresentam com este nome, sendo que se trata de um caso específico sobre o qual estamos falando. Os Exus que chegan aos médiuns são pessoais, portanto, suas vivências e encarnações são únicas. Devem sim, ter algo em comum com a falange da qual representam e também possuir uma base sólida.
Temos constatado que muitas narrativas baseadas em dados por algum Exu pessoal têm se estendido e se generalizado para todos os que chegam com este nome em outros médiuns, o que é um erro.

EXU REI DAS SETE ENCRUZILHADAS

Esta entidade se apresenta como um homem de idade avançada, de pele escura, barba e olhos vermelhos, cor de brasa. Traz a metade do seu corpo (o lado esquerdo) queimado, sendo que sua perna esquerda não funciona bem, por isto é muito comum que se apóie em um bastão.
Prefere beber whisky de boa qualidade e fumar charutos grossos, sua voz é rouca, grave e forte. Quando está manifestado em algum médium, gosta também de azeitonas. Seu olhar é insustentável e quando se fixa em alguém, parece que o atravessa, sabendo seus segredos mais íntimos. As pessoas que o conhecem sentem certa autoridade nele e o respeitam.

Se desmancha em passagens que envia ao mundo para que transmitam suas mensagens através de seus cavalos (médiuns), sendo que isto acontece com todas as demais Entidades de Kimbanda. Sua vestimenta quase sempre é em tons vermelho e negro, com toques brancos e às vezes dourados (quando fora da Encruzilhada da Lira), prefere a capa e a cartola. Gosta de trabalhar com pouco público, em sessões que tenham força espiritual, onde os que nelas se encontram estejam concentrados ao máximo para dar o melhor de si. Não é importante a quantidade, e sim a qualidade e o resultado final da cerimônia.

Em sua última encarnação foi um Tatá Nganga banto, que foi trazido como escravo ao Brasil. Começou chegando na Umbanda, como um "exu de baixo" e foi levantado para "o alto" quando se fizeram os sacrifícios correspondentes na Kimbanda. Quando lhe perguntamos porque se denominava "da Lira" respondeu:

"Lira é uma cidade africana, que fica nas fronteiras orientais do Reino Baganda, de lá venho eu..."

Tem um caráter sério, amável e tranquilo, mas também pode ser enérgico e enojar-se quando há algo que ele não gosta. Tem prazer em ensinar e doutrinar, por isto sempre está tirando dúvidas a todo aquele que lhe faça perguntas, desde as perguntas mais insólitas como "porque há estrelas..." até as mais comuns como "quero saber se meu marido me engana..."
Apesar do Exu Rei das 7 Encruzilhadas tenha sido posto em um lugar privilegiado por alguns autores (os que escreveram com muita subjetividade), ele mesmo afirma que não é o Rei absoluto da kimbanda, e sim que apenas é um dos principais.

É rígido e severo quanto a seguir as tradições e que os rituais se cumpram passo a passo como deve ser, mesmo que, como todo "exu" está aberto a mudanças, às movimentações e inovações, sempre e quando os mesmos sejam feitos pelos próprios Exus.

EXU VELUDO.
Este Exu, vem das costas orientais da África, era swahili (negro arabizado). Usa um turbante na cabeça, e lindos tecidos de veludo trazidos de oriente, que lhe valeram o apelido na Kimbanda de "veludo" Dado a sua forma luxuosa de se vestir, no estilo muçulmano, muitos que viram seu tipo de apresentação através da mediunidade, o confundiram com um cigano e o associaram com os mesmos. Isto não significa que não trabalhe com os ciganos, ao contrário, tem inclusive uma passagem ou caminho que se apresenta como um. Tem muitos conhecimentos sobre feitiços que se fazem utilizando panos, tigelas, agulhas, pembas e outros ingredientes. Abre os caminhos e limpa trabalhos negativos feitos nos cemitérios. Gosta de um bom whisky e grossos charutos.

Alguns de seus caminhos são:

Exu Veludo da Meia Noite
Exu Veludo Cigano
Exu Veludo 7 Encruzilhadas
Exu Veludo Menino (Veludinho)
Exu Veludo dos 7 Cruzeiros
Exu Veludo das Almas
Exu Veludo dos Infernos
Exu Veludo da Kalunga
Exu Veludo da Praia
Exu Veludo do Oriente
Exu Veludo Sigatana
Exu Veludo do Lixo

EXU MEIA NOITE

O Exu da Meia noite que conhecemos foi um negro descendente de escravos, que vivia em Minas Gerais. Sua especialidade é a de praticar feitiços ou trabalhos que são efetuados sob a influência dos planetas, as estrelas e suas posições. E prefere, como seu nome o diz, receber oferendas e fazer trabalhos à meia-noite, mais não o que marca no relógio, e sim a mágica, aquela que se calcula dividindo as horas do dia em que há luz solar e encontrando justamente sua metade.

Gosta de beber whisky e fuma charutos. Sua vestimenta é totalmente de cor negra, com alguns tons vermelhos. Traje negro, chapéu e às vezes traz uma capa.

Alguns de seus caminhos são:
Exu Meia Noite da Kalunga
Exu Meia Noite das Almas
Exu Meia Noite da Praia
Exu Meia Noite do Mar
Exu Meia Noite do Oriente
Exu Meia Noite das 7 Encruzilhadas
Exu Meia Noite da Capela
Exu Meia Noite do Cruzeiro
Exu Meia Noite da Mata

EXU CIGANO

Este, como seu nome indica, se manifesta sob a aparência de um cigano. Quando vivia foi um cigano árabe, que veio como escravo ao Brasil junto com um contingente que provinha da África Oriental. Seu nome em vida era Hassam. Por ser o primeiro cigano que se iniciou no culto afro-brasileiro que ele conheceu no cativeiro junto com os demais escravos, obteve o privilégio de ser o comandante dos demais ciganos que se iniciaram, de onde passou a ser chefe do povo cigano. Logo, quando começa a manifestar-se, primeiro na macumba primitiva, logo depois na Umbanda e por último como "Exu de Alto" se dá a conhecer como "Cigano L'erú" que significa: "O cigano que foi escravo", dando a entender que foi um dos que chegaram primeiro.

Sua vestimenta é composta de panos coloridos, turbante e bombacha no estilo árabe. Sendo um dos poucos ciganos (homens) que se apresentam desta maneira, já que a maioria vem com chapéu de feltro ou lenço de cabeça, calça, camisa e jaleco, pois são ciganos muito mais novos no tempo. Os outros Exus que se manifestam como ciganos, quase nunca se chamam "ciganos", por que de uma maneira geral são Almas de Ciganos que se iniciaram no culto, e chegam com a representação de algum outro Exu do Alto Comando, por exemplo: Exu Corcunda Cigano.

Alguns de seus caminhos são ramos de onde podem chegar os distintos ciganos:

Exu Cigano do Oriente - O que vem da África Oriental, Arábia e outros países asiáticos.
Exu Cigano do Circo - O que trabalha - como indica seu nome - nos circos e também em todos os lugares onde fazem espetáculos públicos.
Exu Cigano do Pandeiro – É ele que vem com um pandeiro na mão, bom dançarino, tem um estilo turco.
Exu Cigano Caló – É ele que representa a os ciganos que vieram ao Brasil desde Portugal, Espanha e França.
Exu Cigano da Praça - Aquele que se dedica a buscar oportunidades nas praças, feiras e parques, fazendo negócios.
Exu Cigano Romanó - Quando se apresenta como um cigano que vem de algum dos países de Europa oriental.
Exu Cigano do Violino - Que é a passagem na qual ele sabe tocar violino, sendo um cigano rumano.
Exu Cigano da Lira – Que faz alusão aos conceitos: a) que provém de uma cidade africana chamada Lira e que fora a princípio um ponto de encontro entre várias raças para comerciar; b) que é hábil compondo canções, cantado e tocando instrumentos variados.
Exu Cigano Giramundo - Que não deve se confundir com "Exu Giramundo-cigano", pois Cigano giramundo é uma passagem de Exu Cigano o que mostra sob a faceta de trota-mundos, andarilho, em sua carruagem viajando de povo em povo. Sem dúvida, Giramundo-cigano é a representação de Exu Giramundo através de uma passagem como cigano.
Exu Cigano do Garito - O que trabalha nas casas de jogo clandestino. Devemos ressaltar, que "garito" é uma palavra cigana.

Há, todavia, muitos sub-ramos derivados das primeiras passagens e também outras passagens. Devemos deixar claro que, na Kimbanda, não há algum lugar para ciganos (homens) com nomes próprios, pois temos ouvido por aí que chegam: cigano-andrés, cigano-ramiro, cigano-sandro, cigano-marco, etc. Na Kimbanda só chega Exu Cigano- "de tal parte", os espíritos de ciganos homens que venham com nomes próprios, NÃO SÃO EXUS DE LEI, não devem ser admitidos nas giras, porque não pertencem à nossa religião. Os ciganos que entraram na nossa religião quando viviam, têm até o momento, somente um dos caminhos: a) Chegar representando a Exu Cigano ou Pombagira Cigana e um grupo; b) Chegar representando qualquer Exu dos altos comandos e ter ao final a denominação: "cigano".

BREVE RESUMO DE OUTROS EXUS QUE NÃO DEIXAM DE SER IMPORTANTES:

Exu Angola – Que pertence ao povo das Almas do Cativeiro.
Exu Cobra Preta – Pertence ao povo das Cobras que trabalha dentro do Reino das Matas.
Exu Come-Fogo – Ronda nas cercanias dos crematórios e pertence ao povo do forno.
Exu Coquinho dos Infernos – Que integra o grupo do Povo dos Infernos (dentro do Reino da Lira)
Exu da Estrada – Que trabalha nas rotas e estradas (povo do Cruzeiro da Rua)
Exu da Lama – Tem a incumbência onde há incêndios e faz parte do Povo do Forno.
Exu Dalva – Pertence ao Povo do Cruzeiro do Espaço. Gosta de trabalhar quando está amanhecendo e recebe as oferendas em terrenos abertos.
Exu do Ar - Trabalha sob o comando de Exu dos Ventos.
Exu Formiga – Pertence ao Povo das Campinas, mora perto dos formigueiros onde procura um de seus alimentos prediletos: as formigas.
Exu Gato – Prefere trabalhar nas encruzilhadas dos montes.
Exu Gererê – Trabalha dentro do mar, pertence ao povo dos pescadores, de fato, seu nome significa “red” em linguagem banto.
Exu Hora-Grande – Outro tipo de nome que se usa para referir-se a Exu Meia-Noite.
Exu Kolobô - Que trabalha nos cemitérios e ataca condolências, pertence ao povo das mirongas.
Exu Lalu – Trabalha nas encruzilhadas da praia sob as ordens de Exu Mirim.
Exu Limpa-Trilhos – Trabalha nas vias de trem abrindo os caminhos, pertence ao povo da Encruzilhada de Trilhos e seu chefe direto é o Exu Marabô.
Exu Mangue – Vive nos mangues.
Exu do Pantanal - pertence ao povo do Lodo.
Exu Pinga-Fogo – Que pertence ao povo dos Fornos ou do Fogo (povo do fogo material)
Exu Relâmpago – Trabalha no povo da Encruzilhada do Espaço (pontos cardinais), sob as ordens de Seu Sete Gargalhadas.
Exu Sete Horas – Que pertence ao povo do Cruzeiro do Espaço.
Exu Tira-Tôco – Trabalha nos montes de Eucaliptos a beiradas do mar. Pertence ao povo da mata da praia.
Exu Tranca-Gira – Trabalha nos cruzeiros sob as ordens de Exu Tranca Tudo.
Pombagira da Terra – Trabalha nos cemitérios.
Pombagira Rosária – Trabalha nos mercados e feiras.
Pombagira Sete Folhas - Pertence ao povo das árvores e trabalha na entrada dos montes.

OFERECEMOS TAMBÉM A SEGUINTE LISTA:

Exu Aleba
Exu Apavenã
Exu Banzé
Exu Bara
Exu Bauru
Exu Boca de Fogo
Exu Caçamba
Exu Candô
Exu Casamenteiro
Exu Chico Preto
Exu da Figueira
Exu da Guiné
Exu da Laranjeira
Exu da Limeira
Exu do Congo
Exu do Mar
Exu Espeto
Exu Folha Seca
Exu Gibóia
Exu João Caveira
Exu João da Bahia
Exu João das Almas
Exu João Kalunga
Exu João Mandinga
Exu João Mironga
Exu João Pepeu
Exu Laborê
Exu Loá
Exu Lofe
Exu Lonã
Exu Madeiro
Exu Maiô
Exu Mareiro
Exu Maromba
Exu Marujo
Exu Matança
Exu Miloá
Exu Mirô
Exu Olho Grande
Exu Panteira
Exu Pedra roxa
Exu Pena de Coruja
Exu Pena de Urubu
Exu Pena Preta
Exu Pimenta
Exu Rebolo
Exu Serapião
Exu Sete Baforadas
Exu Sete Dias
Exu Sete Facas
Exu Sete Montes
Exu Sete Pregos
Exu Tata Ndaí
Exu Tatalá
Exu Tatu
Exu Tibiri
Exu Tira-Teima
Exu Toquinho
Exu Treme Terra
Exu Três Encruzilhadas da Perdição
Exu Três Penas
Exu Tronco
Exu Tronqueira
Exu Trovoada
Exu Tuniquinho
Pombagira Akiesan
Pombagira Aruá
Pombagira Carangola
Pombagira da Lomba
Pombagira das Cachoeiras
Pombagira das Cobras
Pombagira das Flores
Pombagira de Belém
Pombagira de Maceió
Pombagira de Mafia (da Ilha de Mafia na África)
Pombagira de Pemba (da Ilha de Pemba naÁfrica)
Pombagira Detê
Pombagira do Bananal
Pombagira do Jardim
Pombagira do Luar
Pombagira do Oriente
Pombagira do Rio
Pombagira do Sol e da Lua
Pombagira Ganzá
Pombagira Kirombô
Pombagira Maleva
Pombagira Maria Alagoana (de Alagoas)
Pombagira Maria Bahiana (da Bahia)
Pombagira Maria Colodina
Pombagira Maria da Praia
Pombagira Maria das Almas
Pombagira Maria de Minas (de Minas)
Pombagira Maria Farrapos
Pombagira Maria Lixeira
Pombagira Maria Mulambo
Pombagira Maria Navalha
Pombagira Maria Quitéria
Pombagira Maria Rosa
Pombagira Maria Tunica
Pombagira Moça Bonita
Pombagira Mundana
Pombagira Rosa Amarela
Pombagira Rosa Caveira
Pombagira Rosa Preta
Pombagira Rosa Roxa
Pombagira Rosinha
Pombagira Sete Chocalhos
Pombagira Sete Cores
Pombagira Sete Estrelas
Pombagira Sete Maridos
Pombagira Sete Ondas
Pombagira Sete Saias

Concentração









vejam,olhem bem.. e viajem nesse mundo fazendo uma breve meditação.

Magia










CORUJA



Simboliza "o ver a totalidade".

É usado para ampliar a percepção com a sabedoria possibilitando ver a totalidade: o consciente e o inconsciente.


ÂNCORA




Simboliza segurança.

É usada para trazer segurança e equilíbrio no plano físico, financeiro, e para se livrar de perdas materiais.

CHAVE



Simboliza as soluções.

É usado para atrair boas soluções de problemas. O símbolo da chave quando trabalhado no fogo costuma atrair sucesso e riquezas.

ESTRELA DE 5 PONTAS



Simboliza evolução.

É usado para proteção, além de estar associada à intuição, sorte e êxito. A estrela representa o domínio dos cincos sentidos. Também conhecida como o Pentagrama.

ESTRELA DE 6 PONTAS



Simboliza proteção.

É usada como talismã de proteção contra inimigos visíveis e invisíveis. Também conhecida como Estrela Cigana e Estrela de David. A Estrela Cigana é o símbolo dos grandes chefes ciganos. Possui seis pontas, formando dois triângulos iguais, que indicam a igualdade entre o que está a cima e o que está a baixo. Representa sucesso e evolução interior.

FERRADURA




Simboliza energia e sorte.

É usada para atrair energia positiva e boa sorte. A ferradura representa o esforço e o trabalho. Os ciganos têm a ferradura como um poderoso talismã, que atrai a boa sorte, a fortuna e afasta a má sorte.

LUA



Simboliza a magia e os mistérios.

Usada geralmente pelas ciganas, para atrair percepção, o poder feminino, a cura e o exorcismo atentando sempre as fases: nova, crescente, cheia e minguante. A lua cheia é o maior elo de ligação com o sagrado, sendo chamada de madrinha. As grandes festas sempre acontecem nas noites de lua cheia.

MOEDA



Simboliza proteção e prosperidade.

Usada contra energias negativas e para atrair dinheiro. A moeda é associada ao equilíbrio e à justiça e relacionada à riqueza material e espiritual, que é representada pela cara e coroa. Para os ciganos, cara é o ouro físico, e coroa, o espiritual.


PUNHAL



Simboliza a força,o poder, vitória e

superação.

É muito usado nos rituais de magia, tem o poder de transmutar energias. Os ciganos também usavam o punhal para abrir matas, sendo então, um dos grande símbolo de superação e pioneirismo, além da roda. O punhal também é usado na cerimônia cigana de noivado e casamento, onde é feito um corte nos pulsos dos noivos, em seguida o pulsos são amarrados em um lenço vermelho, representando a união de duas vidas em uma só.x


RODA



Simboliza a Samsara, representando o ir e vir, o circular, o passar por diversos estados, o ciclo da vida, morte e renascimento, e é usada para atrair a grande consciência, a evolução, o equilíbrio. A roda é o grande símbolo cigano, que é representado pela roda dos vurdón que gira.

TAÇA



Simboliza união e receptividade, pois qualquer líquido cabe nela e adquire sua forma. Tanto que, no casamento cigano, os noivos tomam vinho em uma única taça, que representa valor e comunhão eterna.


TREVO



É o símbolo mais tradicional de boa sorte.

Trevo de quatro folhas: traz felicidade e fortuna. Quando se encontra um trevo de quatro folhas na natureza, pode-se esperar sempre boas notícias.

Baralho

baralho Cigano
O Baralho Cigano é classificado como uma arte divinatória milenar criada há séculos no sul da França e que foi difundida pelo povo cigano, possibilitando a todos os outros, o conhecimento sobre suas vidas e destinos.
Não deve ser confundido com outras formas de cartomancia, como baralhos comuns, ou uma espécie de tarô.
O baralho cigano se torna singular no aspecto de ser exato, claro e preciso. Ele não deixa dúvidas quanto as realizações e finalizações dos acontecimentos, sejam quais for os aspectos que estejam sendo analisados para o consulente.

Simpatias

Para a pessoa Amada
Esta magia pode ser feita durante o ano todo… Coloque uma folha de papel branco sobre um prato. Desenhe um coração do tamanho do fundo deste mesmo prato. Depois, recorte o desenho e escreva, nas três primeiras linhas, o nome da pessoa desejada. Em outras três linhas, escreva seu próprio nome. Ponha o desenho do coração no fundo do prato e derrame um pouco de mel sobre ele, juntamente com algumas pétalas de rosa branca. Acenda uma vela branca no meio do prato, deixando-a queimar totalmente. Quando a vela terminar de queimar, firme o pensamento na pessoa desejada. Guarde o prato durante uma semana. Feito isso, lave as pétalas e coloque-as dentro de um livro de sua preferência. O prato com o coração deverá ser deixado debaixo de uma árvore bem bonita!

Momentos



Pontos

CIGANAS

Cigana Mama Rosa

Letra: Gustavo Guimarães

Música: João Costa



Vem chegando a Rosa no terreiro

A rosa do canteiro

Não tem a sua luz

Vem trazendo a cor do seu povo

Amarelo e o roxo,

É o vermelho e o azul

E azul é o céu do Cigano>

Mama Rosa chegando>

Me dá sua mão>bis



Cigana Carmencita das Sete Saias

É das campinas que ela vem

Pra trabalhar>bis

É a cigana Carmem

Carmencita das campinas>bis

Com a força da lua

Do fogo e do sol>bis

Ela vem pra trabalhar>

É a cigana Carmem

Carmencita das campinas>bis



Cigana do Sereno

Cigana, Cigana vem

Cigana vem trabalhar

Ela é a cigana do Sereno

Que vem para seus filhos ajudar

Ela é bonita

Ela é faceira

Gosta de brincos

Colar, muitas pulseiras

Cabelos longos

Pele morena

Até a lua

Admira sua beleza



Cigana Bia

Cigana, cigana eu sou>

Sou Bia, do bem e do amor>bis

Com a luz na estrela guia

Ela faz sua magia



Cigana Carmem

A estrela da Cigana Carmem

Que lá do oriente brilha sem parar

Esta estrela ela traz em seu peito

E toda a Umbanda ela vem clarear

Clareia estrela formosa

Da Cigana Carmem

Que é astro meu

E como uma estrela do oriente

Ilumina os caminhos que a cigana

Acolheu>bis



Cigana Rosa

Numa noite de lua

Uma linda cigana

Passeava na rua

E sorria ao luar

Ela era formosa

Era dona da rosa

Uma linda cigana

Vem o mal desmanchar



Cigana Clarita

Letra :Lorena Bittencourt

Música: João Costa



Clarita cigana da roda

Cigana faceira

Vem me ajudar

Com seu encanto

Tocando pandeiro

Trazendo amor e a paz

Ela é bonita>

Ela é da gira>

Girando, girando>

Vem ajudar>bis



Cigana Juanita

Letra e música: Ivo

Ela dança pra lua

E também pras estrelas

Trabalha na campina

É cigana faceira

É cigana bonita >

Vem na lei da Umbanda>

Ela é Juanita >

Saravá sua banda > bis



Cigana Sezanita

Ao som de um violino cigano>

A cigana Sezanita chegou>bis

Dançando uma linda melodia>

Que um cigano apaixonado lhe ofertou>bis

Não sei se era noite>

Ou se era dia>

Só sei que era bela a melodia>bis



Cigana Zoyha

Letra: Marisa



Caminhando pela campina

Vi cigana Zoyha chegar

Trazendo sorte e alegria

Para seu povo contagiar



Cigana Soraia

Soraia você é cigana linda

Onde está

Que você não veio ainda



Cigana Rosita

Rosita é uma Cigana bonita

Que usa vestido de chita

E vem para girar

Colar, brinco e pulseira

Ela usa pra trabalhar>bis

É a Cigana Rosita

Que veio pra trabalhar





Cigana Luana

Letra: entidade Cigano Woisler

Dança, dança, dança

Da lua ao sol

Do sol a lua

Lua cheia

Pensam que cansa

Mas a flor da

Cigana Luana

Traz a todos a bonança

Luana, Luana, Luana

Abençoe a todos aqui

Luana, Luana, Luana

Cigana dos Ventos

O vento vai trazer uma cigana

Que as flores da campina vão vergar

São uma, são duas, são três flores

De onde seu perfume vai tirar

Quando cheguei na aldeia

Senti um aroma de rosas

Havia uma cigana formosa

Qual cigana eu encontrei

Levanta a saia oh cigana

Não deixe a saia arrastar

A saia custa dinheiro

Dinheiro custa a ganhar





Cigana Madalena

Era uma noite de lua

Uma estrela candescente apareceu

Seu brilho forte

Povo cigano enxergou

Era a cigana esperança

A cigana criança

Que chegava

Para ajudar aos filhos seus

Madalena...Madalena
Cigana Saluma

Saluma, jovem ciganinha

Longos cabelos, lindas trancinhas

A sua dança traz a magia>

Com muito encanto>

E grande euforia>bis

Saluma, jovem ciganinha

Traz pra você a paz

E muita alegria







Firmeza de Ciganas



Tinha uma barraca velha

Foi a cigana quem me deu

O que é meu é da cigana

O que é dela não é meu

E a cigana puerê

O puerê, o puerê



Numa noite de lua

Uma linda cigana

Passeava na rua

E sorria ao luar

Ela era formosa

Era dona da rosa

Uma linda cigana

Vem o mal desmanchar



Vinha, caminhando a pé, a pé

Para ver se encontrava

Uma linda cigana de fé

Ela parou

E leu minha mão> bis

E disse toda a verdade

Mas eu só queria saber onde andava

Aquela linda cigana de fé

Mas eu só queria saber onde andava

Aquela linda cigana fé



Cigana, ela vem dançando

Ela vem mostrando

Sua dança no terreiro

Com sua saia rodada

Sua bata prateada

Pra acabar com feiticeiro





Caminhando pela Rua

Música: Bitty



Caminhando pela rua eu te vi>bis

Cigana eu me enamorei

Cigana eu me enamorei por ti>bis





Ela é a ciganinha >

Da sandália de pau > bis

Ela faz o bem, ela faz o bem

E não faz o mal



Ela é uma cigana faceira

Ela é

Ela é das 7 linhas

E não é de Candomblé

Ela vem de muito longe

Os seus filhos ajudar

Ela vem de muito longe

Saravar este Congá



Segura a saia cigana

Não deixe a saia arrastar

A saia custa dinheiro

Dinheiro custa a ganhar



Meu Gangá não me engana

Meu Gangá me falou

Esta moça é cigana

Atotô quem mandou>bis

Santo Antonio entrou na dança

Dança de Omolocô

Deu a mão a uma criança

Que era filha de Xangô

No pandeiro fez magia

Pra cigana ler o céu

Toda pérola é guia

No anel de São Miguel

Mas, meu Gangá não me engana



Quando cheguei na aldeia

Senti um aroma de rosas

Havia uma rosa formosa

Qual cigana eu encontrei



Eu sou cigana da Espanha

A minha gira eu posso

Mas eu não sei o que há>

Filho de cigano nasceu pra ganhar>bis



Na beira do mar ela desceu

Saldando Oxum Maré

Oh ! Cigana criança

Sarave o fogo e o céu



Ao acender uma fogueira

Traz sorte cantar

Destacou-se uma cigana

E alegremente se pôs a dançar

Nesta festa colorida

Esta canção foi escolhida

Novos passos a ensaiar

Até a dança começar

Nossa gente está dançando

Outros pares se formando

A fogueira a faiscar

Vamos todos acelerar

A magia é contagiante

Sua presença é constante

Nesta noite de luar

Dançaremos até o raiar

A madrugada está chegando

A fogueira se apagando

A festa já vai terminar

Agora só resta sonhar



Madre Mia [Virgem Maria]

Gipsy Kings



Yo me encuentro solito

Si no te teno a mi lado

Y ahora que no vivo

Porque sin ti me muero

Madre Mia, Madre Mia

Madre mia, Madre mia

Madre mia, Madre mia

De mi alma

Madre Mia de mi alma

No te vaya de mi vera

Porque sin ti no vivo

Muchas penas yo tengo

No vivo, no vivo

Madre mia, madre mia

Madre mia, madre mia

De mi alma

Demanda



Eu bem que avisei

Pra você não jogar

Essa cartada comigo

Você apostou no valete

E eu apostei na dama

Amigo você não me engana

Essa linda cigana

Vem trabalhar na Umbanda



Dizem que bom cabrito não berra

Dizem que povo cigano não erra

Te dei amor

Te dei trabalho

Te dei saúde

Se não era isso, então o que era

quarta-feira, 30 de abril de 2008